COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

BÊNÇÃO APOSTÓLICA PARA A INFANTA CENTENÁRIA

LER
Esta tarde celebra-se uma missa de acção de graças pelos 100 anos de Dona Maria Adelaide de Bragança, no Mosteiro dos Jerónimos.
A Infanta Dona Maria Adelaide de Bragança, neta do Rei D. Miguel I, cumpre hoje 100 anos de vida e recebeu uma Bênção Apostólica especial do Papa Bento XVI.

O Papa recorda o “fecundo século de vida” e elogia o “notável exemplo de tenacidade, coragem e inteligência ao serviço da fé e da Igreja, com clarividente devoção, não abdicando nunca da adesão a Cristo, com risco até da própria vida.”

No decreto fala-se do facto de D. Maria Adelaide ter sido detida pela Gestapo e condenada à morte, primeiro, e depois ao degredo na Sibéria, “mas, quando em liberdade, entregou-se sempre, inexcedivelmente, ao apoio às vítimas dos bombardeamentos, servindo como enfermeira nos locais e nas alturas de maior perigo.”

Por fim, é referida a criação da Fundação D. Nuno Álvares Pereira, da qual ainda é presidente e que criou quando veio finalmente para Portugal, através da qual ajudou centenas de famílias e crianças.

“Como prova de paternal reconhecimento por tão altruístas virtudes, fé inabalável, amor e dedicação ao Evangelho, Sua Santidade concede a Bênção Apostólica e une-se, de coração, a Vossa Alteza, a toda a família e a quantos se associam à celebração de acção de graças por tão feliz Centenário Natalício”.

O decreto é assinado pelo Núncio Apostólico em Portugal, Monsenhor Rino Passigato. O mesmo núncio estará presente esta tarde numa missa de acção de graças a celebrar nos Jerónimos, seguida de jantar.

Para além desta distinção papal, Dona Maria Adelaide recebe também uma condecoração do Presidente da República.

 


SITES ESTRANGEIROS: A PORTUGUESE INFANTA'S 100TH BIRTHDAY


She is living history: Infanta Dona Maria Adelaide de Bragança van Uden was born on 31st January 1912 as the youngest daughter of [King] Miguel (II), Duke of Bragança and Princess Maria Theresa of Löwenstein-Wertheim-Rosenberg in Saint-Jean-de-Luz, France, and is the last surviving granddaughter of a Portuguese monarch, King Miguel I of Portugal and his wife Princess Adelaide of Löwenstein-Wertheim-Rosenberg. Her godparents were King Manuel II, the last reigning King of Portugal, and his mother, Queen Amélia of Portugal, née Princess of France of the House of Bourbon-Orléans.


Dona Maria Adelaide's siblings were Dona Isabel Maria of Bragança, Infanta of Portugal (1894–1970) who married Franz Joseph, 9th Prince of Thurn and Taxis, Dona Maria Benedita of Bragança, Infanta of Portugal (1896–1971), Dona Mafalda of Bragança, Infanta of Portugal (1898–1918), Dona Maria Anna of Bragança, Infanta of Portugal (1899–1971) who married Karl August, 10th Prince of Thurn and Taxis, Dona Maria Antónia of Bragança, Infanta of Portugal (1903–1973), Dona Filippa Maria of Bragança, Infanta of Portugal (1905–1990) and Dom Duarte Nuno, Duke of Bragança (1907–1976), father of the current head of the Portuguese Royal Family, Dom Duarte Pio.

She was educated in the Sacré Coeur College in Riedenburg, Austria, married in Vienna, 13th October 1945, Dr. Nicolaas van Uden (Venlo, 5th March 1921 – Lisbon, 5th February 1991) a medical biochemist and a great scientific authority in the field of yeast development.

Infanta Maria Adelaide lived in Vienna, Austria, working as a nurse and social assistant. During World War II, when there were bombardments, she was travelled at night to the place to provide aid to the victims. She was part of the Nazi resistance movement, caught by the Gestapo and sentenced to death. Portugal's dictator António de Oliveira Salazar intervened with the Germans, claiming that Infanta Maria Adelaide was a "national heritage". The intervention of the Portuguese diplomacy resulted in the release and her immediate deportation, which settled in Switzerland. It was there that her brother Dom Duarte Nuno, Duke of Bragança, and sister-in-law Dona Maria Francisca , Duchess of Bragança, lived. After the war, the family finally returned in Austria. In 1949, Dona Maria Adelaide could return to her ancestors' home country, Portugal.

According to the official succesion list Infanta Maria Adelaide is 6th in line to the Portuguese throne.

The blog Família Real Portuguesa, always a valuable source of information, published today’s programme for Her Royal Highness’ birthday celebrations.

Feliz aniversário, Sua Alteza Real!

Radical Royalist - January 31st 2012


----------------ooOoo----------------



Infanta Maria Adelaide de Bragança van Uden turns 100

On January 31st 2012, Infanta Maria Adelaide will celebrate her 100th birthday, she is the sole surviving granddaughter of King Miguel I of Portugal.


Infanta Maria Adelaide is the daughter of Miguel II, Duke of Bragança and Princess Maria Theresa of Löwenstein-Wertheim-Rosenberg, and was born January 31st 1912 in Saint-Jean-de-Luz, France, with Dom Manuel II and Queen Amelia as her godparents. The Infanta, along with her siblings and parents, spent her early life in Seebenstein, Austria, in fairly good conditions until the Austrian Monarchy collapsed due to World War I. The Braganças lived tough times and had to wait on line for food with the masses of people, not afforded any special privileges for their royal titles. The Infanta said she never went hungry because she was young, but that her older siblings including Duarte, Duke of Bragança (Duarte Pio’s father) did go hungry many times.


Even with all the difficulties she went through in her young life the Infanta always strived to help others. She wanted to become a nurse and went to study nursing in Vienna, where she lived in university housing while completing her degree. When Nazis occupied Vienna, Maria Adelaide joined the Nazi Resistance movement and offered care to war victims, because of this she was jailed and sentenced to death by the Nazis. Salazar, the Portuguese Prime Minister at the time, intervened and had her set free. Throughout this time she met a medical student, Nicolas van Uden, whom she married October 13th, 1945 in Vienna.

The couple had six children: Adrian Sergio in 1946, Nuno Miguel in 1947, Francisco Xavier in 1949, Filipa Teodora in 1951, Miguel Inacio in 1953 and Maria Teresa in 1956, all with the surname “de Brangança van Uden”. The young couple thought of moving to Africa, but where convinced by members of her family to move to Portugal, which she did in 1949, with special permission from Salazar, as the Banishment Law which banned all members of the Bragança dynasty from entering Portugal was not repealed until a year later.


In Portugal, her husband worked in scientific research, and she started the Dom Nuno Alvares Pereira Foundation. The foundation is aimed at helping poor mothers and pregnant women and abandoned and orphaned children. She is known amongst all to be a caring and selfless person, always putting others before herself. Due to this special anniversary, the President of the Republic has conceded the Order of Merit to the Infanta for her dedication to other along her whole life.


On January 31st there will be a mass at the Church of Bom Sucesso to celebrate the Infantas life, followed by a dinner at the Cultural Center of Belem. The dinner and mass are open to the public with the dinner having a fee of 20 euros for all who want to attend.

Royal Forums, January 31st 2012


-----------ooOoo---------
Princess reaches the century mark
 
HRH Infanta Maria Adelaide Manoela Amelia Micaela Rafaela of Portugal celebrates her 100th birthday. The youngest of the eleven children of Dom Miguel de Braganza, Infanta Maria Adelaide was born on January 31, 1912 at St. Jean de Luz, France. (Dom Miguel had four children by his first wife, Elisabeth of Thurn und Taxis, who died several weeks after giving birth to a daughter in 1881. He married in 1893 for a second time to Princess Marie Therese of Löwenstein-Wertheim-Rosenberg.)
 
Adelaide was named for her paternal grandmother, Princess Adelheid of Löwenstein-Wertheim-Rosenberg.
 
During the second world war, the family lived in Vienna, where the infanta worked as a nurse. She was active in the Resistance movement, arrested and was sentenced to death by the Gestapo, after being accused of listening to the BBC. But the Portuguese dictator, Antonio Salzar intervened on the Infanta's behalf, stating that she was someone of national heritage. Infanta Maria Adelaide was a granddaughter of King Miguel. She was also apparently active in a group called O5, where her code name was Mafalda. The group helped to hide Jews from the Nazis.
 
Thanks to Salazar Maria Adelaide was released and deported to Switzerland, where her brother, Dom Duarte Nuno, Duke of Braganza lived with his wife, Maria Francisca.
 
After the war, Infanta Maria Adelaide and her family returned to Vienna.
 
On October 31, 1945 at Vienna, Infanta Adelaide married Nicolaas van Uden (1921-1991), a Dutch national. She and her new husband planned to go to Africa, but after being allowed to return to Portugal before the repeal of the ban against her family, the plans to move to Africa were dropped.
 
In 1949, Infanta Maria Adelaide and her husband, a doctor specializing in skin diseases, were able to move to Portugal. Unfortunately, Dr. van Uden's medical degree was not recognized in Portugal, and he could not practice medicine. For many years he worked for in a research laboratory and other scientific foundations in Portugal.
 
Infanta Maria Adelaide and her late husband have six children: Adriano Sergio, Nuno Miguel, Francisco Xavier, Filippa Theodora, Miguel Ignacio, and Maria Teresa.
 
Her nephew, the Duke of Braganza, is the current head of the royal house of Portugal.
 
For more information about her role in the resistance, see the book, The Hand of Compassion: portraits of moral choice during the Holocaust by Kristen Monroe.
 
Yesterday, the Infanta's family celebrated her life with a Mass of Thanksgiving at the Church of Alvalde do Sado. Two of her children, Nuno and Maria Teresa van Uden attended the service.
 
"These honors are a way to convey what she thinks, fears and makes proposals for the future, passing by Christian values," Nuno van Uden told a reporter.
 
Today, the Portuguese president conferred the Order of Civil Merit on Infanta Maria Adelaide. She is, according to the official statement, "an example of life by moral stature."
 
Royal Musings, 31 de Janeiro de 2012

A ÚLTIMA NETA DE UM REI QUE ESTÁ VIVA, FAZ HOJE 100 ANOS!

Sua Alteza Sereníssima Dona Maria Adelaide Manuela Amélia Micaela Rafaela de Bragança van Uden, nascida em 31 de Janeiro de 1912, em St. Jean de Luz (França). Foram padrinhos de Baptismo El-Rei Dom Manuel II e S.M., A Rainha Dona Amélia.
 
É a diferentes títulos, uma Senhora excepcional, uma Princesa que pautou toda a sua existência pelo serviço e a doação aos outros.

A última filha de Dom Miguel II e neta d'El-Rei Dom Miguel I, viveu sempre tão perigosamente e desagradando mesmo a alta sociedade portuguesa que a considerou sempre pouco adequada a uma pessoa da sua condição, que o seu depoimento tem obrigatoriamente um peso exemplar, pelo humanismo e coragem. “Dona Maria Adelaide de Bragança, a Infanta Rebelde”, presenciou duas guerras mundiais e participou activamente na resistência contra os nazis. Foi presa e condenada à morte por fuzilamento. Salazar interveio e reclamou a libertação da Infanta presa, concedendo-lhe passaporte diplomático.

É nessa atmosfera de fim de guerra que conhece o médico holandês Nicolaas van Uden com quem viria a casar.

No pós-guerra, com o fim do banimento do ramo miguelista, veio para Portugal já casada e aqui deixou uma obra de solidariedade e assistência digna de nota. Criou a Fundação D. Nuno Álvares Pereira, de apoio a mães pobres em fim de gravidez e às crianças até à puberdade, que desapareceu a seguir à revolução de Abril.

"(...)Ter fé, facilita muito o fim da vida". - Dona Adelaide de Bragança van Uden

São estas as pessoas, de actos e não só de palavras, que salvam a humanidade. São estas pessoas que merecem subir aos altares dos que crêem e aos pedestais daqueles que não crêem. A Infanta Dona Adelaide, cujo aniversário centenário se celebra hoje, é merecedora da nossa humilde e insignificante gratidão. Será, talvez, a mais Importante Portuguesa viva. Ao pé dela, milhões de "misseiros" e "água-benteiros" não passam de caricaturas. A Infanta é, exactamente, a Imitação de Cristo.

Os meus sinceros parabéns minha Senhora por este século de vida, que Deus a guarde e Lhe conceda muita saúde e muitas alegrias!



Chegar aos 100 anos de Vida - e que Vida!!! - não é para todos. Pelo Exemplo de abnegação, coragem e entrega aos outros, colocando-se sempre em último lugar, Sua Alteza Serenissima, a Senhora Dona Maria Adelaide de Bragança Van Uden, Infanta de Portugal, Neta de El-Rei Dom Miguel I e Tia de Sua Alteza Real o Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e Herdeiro do Trono de Portugal, merece da minha parte, não só como Monárquico, mas sobretudo como Português, um enorme motivo de Orgulho em poder partilhar a minha Felicidade neste dia Histórico, e único nas nossas Vidas. Que Deus abençoe a Nossa Querida Infanta, Grande Senhora de Portugal, Dona Maria Adelaide!

Hoje também temos que celebrar a Vitória Monárquica no Porto, contra uma Tentativa de proclamação da república a 31 de Janeiro de 1891. Foi a Vitória do Estado de Direito que era a Monarquia contra tentativas de subversão do Estado. Pelo que hoje, é um dia claramente Monárquico! Hoje é o primeiro de muitos dias Monárquicos, até à Vitória Final! MAS MAIS UMA VEZ, VIVA A NOSSA INFANTA DONA MARIA ADELAIDE! VIVA A MONARQUIA ! VIVA PORTUGAL!


A Real Associação da Beira Litoral deseja à Sua Alteza A Senhora Dona Maria Adelaide de Bragança tudo de bom com muita Saúde, Felicidade e Alegria. VIVA S.A. A INFANTA D. ADELAIDE! 
VIVA O REI! VIVA PORTUGAL!

FÉ NÃO. PRAGMATISMO MONÁRQUICO.

Os portugueses têm um estranho vício de olhar para a monarquia como uma utopia, ou se preferirmos uma fé. Não a rejeitam com frontalidade, mas desconfiam sempre de que não é viável. Por isso digo, no nosso país não há verdadeiros republicanos, tirando aqueles que foram presidentes da república, o próprio presidente e alguns políticos que ainda o ambicionam ser. Ser ou não republicano não é sequer um tema sério – principalmente quando analisamos os 100 anos de herança deste regime em Portugal, quem é capaz dos defender?

Podem dizer-me que há vários historiadores que sempre que o tema se levanta correm de imediato às televisões a desenrolar uma série de feitos da república, nomeadamente no ensino, nos direitos das mulheres, na separação da igreja do estado e por aí adiante. Será que estes feitos são realmente da república? Ou será que são feitos de um povo e da força da modernidade? Também não aconteceram noutros países monárquicos? Parece-me que sim.

Mas voltemos ao tema. Ser monárquico hoje em dia não é nada fácil. Somos herdeiros de um passado histórico de vários bravos resistentes anti-república que em muitos casos se aprisionaram (e muitas vezes apregoaram) a um estereótipo do monárquico que ainda hoje permanece na cabeça da maioria dos portugueses. Para a maioria do povo, somos todos aristocratas ou com pretensões a tal, betinhos, católicos radicais, antiquados, estudámos em colégios e temos como grandes hobbys a tourada e o hipismo.  A verdade é que ser monárquico já não é nada disso e a única coisa que nos une enquanto monárquicos é apenas uma: achar que a chefia de estado devia estar entregue a um rei. De resto, somos todos diferentes. Muito, acreditem.

Ser monárquico no século XXI mais não é do que uma questão de pragmatismo, puro e duro. Trata-se de fazer um simples exercício de análise política e constatar que a chefia de estado deveria funcionar como uma força moderadora do regime e da sociedade, ou como o próprio presidente da república o chamou: “um provedor do povo”. Fazendo esta análise e recordando a nossa história recente, verificamos facilmente que a chefia de estado republicana por e simplesmente não cumpre essa função. E porquê? É simples, porque nenhum presidente pode ser verdadeiramente independente quando dependeu não só de votos, mas também de apoios, financeiros e políticos, para chegar ao seu cargo – esses apoios, ou se preferirmos favores, mais cedo ou mais tarde são pagos e é aí que a independência do cargo se esvai no jogo político.

O Rei, pelo contrário, ao nascer Rei, tem sobre ele a responsabilidade, a educação e a independência necessária para poder ouvir verdadeiramente o povo do seu país e funcionar como um verdadeiro árbitro do sistema político democrático, sem depender de nada nem de ninguém – apenas do povo, que tem sempre o ónus do poder destituir, como já fez na história de vários países. Isto é pragmatismo político e não uma utopia. Prova disso mesmo é que funciona, principalmente nas mais antigas democracias europeias, muito mais estáveis politicamente do que a maioria das repúblicas.

Há ainda aqueles que em desespero de causa afirmam que Portugal não tem um verdadeiro Rei. Novamente estão enganados. Os monárquicos portugueses há muito que se uniram na figura do legítimo e único pretendente ao trono português, D. Duarte de Bragança. Homem de reconhecida seriedade e de grande apego ao seu país, que como todos os seus pares (o povo português) estudou, serviu no exército, opôs-se ao fascismo e foi para a guerra. Português reconhecido pela sociedade por ter abraçado várias causas, como por exemplo a de Timor e por ser uma pessoa ponderada nas suas opiniões e ainda mais nas suas acções. Um grande português, que conhece Portugal e o mundo lusófono, que está pronto a servir o seu país e que há muito é reconhecido pelo próprio estado republicano como o legítimo pretende ao nosso trono.

Como ficou provado, a monarquia é um tema pragmático e actual, que nada tem de utópico. Utopia é pensarmos que se ficar tudo na mesma o nosso Portugal consegue voltar a ser um grande país.

Autor: João Gomes de Almeida
Fonte: Blogue Forte Apache

Publicado por David Garcia em Real Portugal

A REPÚBLICA INTERESSA AOS PSEUDO-ARISTOCRATAS

Neste artigo, irei falar acerca do adesivismo de uma certa elite monárquica depois de 1910 até aos dias de de hoje. Isto, com a finalidade de dar a conhecer aos leitores, todas as tentativas de silenciar-se a oposição monárquica.Desde já, responsabilizo essa mesma elite, pela política de silenciamento, que pôs em causa, a acção de personalidades como: Paiva Couceiro, Almeida Braga, Vieira de Almeida, Abel da Cunha, Henriques Barbosa, Luís Leite Rio, Augusto Carlos Saldanha, Pessoa da Costa, Fernando Amado, Costa Félix, Alberto Abranches, entre outros.

Os monárquicos democráticos(os verdadeiros) nunca tiveram condições para organizar-se como uma estrutura clandestina.Lutaram contra o salazarismo ao lado de anti-salazaristas como  Mário Soares e até houve (e há) monárquicos no PCP. Até anarquistas monárquicos houve sendo o caso flagrante o de João Camossa, mas houve mais ilustres descohecidos… Por razões óbvias isso foi abafado: a tentativa de Salazar ocultar do conhecimento dos Portugueses a existência de uma oposição monárquica (um continuar da república do 5 de Outubro de 1910); E outra razão bem mais grave: A dita causa monárquica “aristocratizada” ser colaboracionista com Salazar. Um pouco como aconteceu com a implantação da república em Portugal em que o adesivismo foi bem mais determinante que a nojenta carbonária.

Tenho a certeza que é só esse facto e nada prende-se com características retrógradas ou saudosistas.Basta intercalar com a experiência liberal Portuguesa desde 1820 até 1933, em que, o outorgar da carta constitucional de 1826, como uma infeliz iniciativa de D. Pedro IV, permitiu a permanência de uma elite preocupada unicamente em satisfazer os seus interesses. A literatura de Eça de Queiroz é muito evidente! Essa característica continua a fazer-se sentir na actualidade.

Assim, o movimento que originou o PPM original é apenas obra de meia dúzia de homens sérios e sábios que continuaram a luta das personalidades que refiro acima.

Com a leitura do documento torna-se evidente que a implantação da república interessou a muitos sectores da dita “nobreza” monárquica para defender interesses monopolistas nas possessões ultramarinas. Isto, contra a política do governo de D. Carlos de não ceder ao lobby colonialista do século XIX. Será sempre a ideia do império colonial que orientará a política da república do Estado Novo.

Lanço mais uma critica à falta de inteligência política de D. João VI em gerir as consequências da sua ida para o Brasil em 1808, cujas consequências ainda hoje sofremos actualmente.

O adesivismo de uma certa aristocracia que se originou por títulos dados ao desbarato no século XIX foi a razão da deformação da ideia de um Rei representante e defensor dos cidadãos contra os interesses de uma certa parte desssa mesma parte nobreza amante de interesses económicos de origem nova-rica e uns poucos tradicionais.

Isto aconteceu nos bailes e recepções de gala da república do Estado Novo, em que muitos desses aristocratas eram presença constante. Isto, em contraste com Paiva Couceiro que era preso e depois expulso do país sem documentos, na expectativa que uma patrulha espanhola o matasse. Isto em plena guerra civil Espanhola.

Partindo da ideia que Salazar é uma consequência da 1ª república e que a forma republicana do seu poder, apelidada de Estado Novo, serviu apenas para a sua satisfação pessoal, não acho estranho que este tentasse fazer crer que era monárquico e que todo o seu elenco governamental estava com a monarquia.

Não concordo com o facto de se referir em certas fontes que a justificação da adesão de monárquicos à União Nacional se prender com o facto de 60 ou 70% dos deputados desse partido se dizer monárquicos e isso contribuir para a restauração. Se essa variável fosse verdade, a presença de D. Manuel II em Portugal seria inevitável. Porque é que esse “grupo” não contribuiu para o regresso do Rei?

Temos de ver que essas ideias foram a propaganda do partido republicano português em 1908-1910 e único programa político depois de 1910.

Por isso, o Estado Novo , sendo uma consequência do 5 de Outubro de 1910, não me parece estranho que aproveitasse essas ideias e desprestigiasse ainda mais a ideia monárquica.

Isto, porque tenho a certeza que Salazar tinha consciência da possibilidade da restauração monárquica após 1926, porque, o golpe do 28 de Maio foi o fracasso das ideais republicanas de 5 de Outubro de 1910, apesar, de o 28 de Maio ser mais um pronunciamento militar que caracterizou Portugal, desde a implementação do liberalismo.

Assim há certeza que a primeira república só acaba em 1933 e que a ditadura militar e o reviralho republicano são invenções políticas, depois perpetuadas pela historiografia republicana.

O Estado Novo continuou com a política, seguida pela primeira república, de silenciar a oposição monárquica, tentando ocultar a sua existência. Enquanto à oposição de carácter republicano era reconhecida a sua existência, à de carácter monárquico não era reconhecida. E assim se explica porque é que se criou o mito da república do 5 de Outubro como uma época de liberdades e garantias democráticas.

Ou seja, a ideia que os republicanos do Estado Novo tentaram vincular era que todos os monárquicos estavam conotados com o salazarismo. E quem fosse da oposição era comunista ou republicano-histórico.

Tal como hoje acontece, alguns monárquicos de brasão, desde 1910, são os que têm mais ganho com a república. Usam a ideia monárquica como uma questão de status para lhes dar o passaporte a recepções oficiais e a “tachos” republicanos. Os monárquicos da segunda fase do Integralismo Lusitano e a sua luta pela liberdade surgiram da vontade de cidadãos empenhados em salvar a população de um republicanismo burguês, na verdade devoto aos interesses particulares.

É mais que óbvio que Salazar tinha noção da força da ideia monárquica na consciência social. Porque não esqueçamos toda a instabilidade do período de 1910-1933: Crimes, repressão, fome, guerra, desemprego, partidarização. Esses factos são um contra-senso das ideias republicanas apregoadas desde 1908.

Mas qual era o ponto fraco da causa? As elites.

Certos condes, barões, e outras pessoas que rodearam em vida D. Duarte Nuno, com o objectivo de obter favorecimentos. Com essa mentalidade, não seria muito difícil a Salazar aliciar as elites monárquicas com o partido da União Nacional.

Mas a oposição monárquica foi silenciada! O que é bem diferente de não existir. O movimento de monárquicos democratas (herdeiros legítimos do regime monárquico constitucional antes de 5 de Outubro de 1910), que deu origem ao PPM surgiu da fusão de várias correntes monárquicas depois da 2ª Guerra Mundial. É com o primeiro manifesto monárquico de Outubro de 1957, durante a “campanha eleitoral” desse ano que começa a formar uma estrutura permanente.

Só este parágrafo põe em causa toda a historiografia desde 1910. Por isso, sabendo o leitor que a oposição monárquica existe desde 1910, acho que se deve estar a perguntar: Porque é que as Reais Associações não continuam com este excelente trabalho?

Por uma razão muito simples: os continuadores do PPM original, onde Gonçalo Ribeiro Telles pontificou, são as Reais Associações que trabalham e não se vergam á vontade da oligarquia aristocretina e as forças vivas independentes que querem a mudança de regime resultantes, mas alguns pseudo- monárquicos de brasão procuram tirar benefícios com a república a querer usar algumas reais como feudos pessoais e das famílias.

O trabalho da Restauração envolve todos os monárquicos de todas as classes, não uma elite que não faz nem deixa fazer e que só integra membros que acha que devem pertencer á sua família de interesses e os outros que não interessam é para rejeitar. Para quem se diz tão nobre, agem como se fossem dirigentes de colectividades de bairro.Lutar pela democracia monárquica é um trabalho de equipa não exclusivo de certas pessoas. A verdadeira aristocracia está do lado da sociedade civil e não precisa do Geneall para se legitimar, pois são seguros da sua identidade e tradições centenárias e até milenares, logo são humildes.

O Movimento de Unidade Monárquica tenta dizer que a juventude e a sociedade civil monárquica pensam e queremos provar que a esmagadora maioria dos monárquicos não estão interessados nos “cheques” da república. Acreditamos sim, nos benefícios sociais de uma Monarquia e de uma verdadeira democracia para Portugal. E não venham certos críticos dizer que somos contra a nobreza, porque no MUM há jovens de origem humilde e de origem nobre, mas acima de tudo somos humanos e iguais. A monarquia é do povo e para o povo, seja a classe social, cor política, religião, orientação sexual, etnia etc. Precisamos do Rei e o Rei de todos nós, os portugueses, em nome da dignidade da Pátria.

Daniel Nunes Mateus

A REPÚBLICA ANDA COM O REI NA BARRIGA. (OU RESPOSTA AO RICARDO VICENTE)

Não tenho por hábito ser rude nos textos que escrevo, muito menos em resposta a colegas de blog. Mas de facto, o texto do Ricardo Vicente sobre os monárquicos, demonstra apenas uma visível e notória ignorância, como também uma clara falta de educação e de respeito pela diversidade de opiniões políticas – característica esta muito própria dos republicanos, que lembro: instauraram o seu regime através do homicídio de dois seres humanos e de uma revolução, que até hoje não entregou ao povo português a possibilidade de através do seu voto manifestar a sua vontade sobre a chefia de regime. Lembro, nunca nenhum republicano poderá argumentar que o “voto popular” é uma vantagem do regime republicano, enquanto não for atribuído ao povo português o direito de escolher e votar em Liberdade. Até isto acontecer, a “eleição do chefe de estado pelo voto universal” não passará de uma farsa.

Mas as mentiras continuam. Primeiro, o Ricardo fala do nosso índice de desenvolvimento enquanto país, esquecendo-se que os países mais desenvolvidos do mundo são na verdade monarquias. Se não acredita, convido-o a conhecer o Índice de Desenvolvimento Humano de 2011 e a perceber que o Reino da Noruega é o 1º classificado no ranking, a que se seguem Austrália (monarquia) e Holanda (monarquia), no top 10 constam no total 7 monarquias constitucionais. Se o Ricardo se der ao trabalho de ler o documento com atenção, vai ainda verificar que a nossa república do 5 de Outubro (a que este governo felizmente vai pôr fim enquanto feriado), encontrasse em 41º lugar, atrás de países tão desenvolvidos como a Eslovénia, Chipre, Estónia e Eslováquia.

Se o Ricardo fosse menos preconceituoso, talvez constatasse facilmente que os países onde a chefia de estado é independente do poder político e económico (monarquias) são mais estáveis, o que favorece o nível de desenvolvimento económico e humano dos mesmos. Acha que isto é uma questão de poesia? Não me parece caro Ricardo.

No texto do Ricardo, gostei também do novo argumento de que um regime republicano é uma questão de “direitos humanos”. Em primeiro lugar acho-o básico e em segundo pouco sério. Quer o Ricardo dizer-me que as monarquias de Espanha, Reino Unido, Suécia, Noruega, Holanda e Bélgica, desrespeitam os direito humanos? Isto é mesmo para acreditar ou apenas saiu-lhe e devemos classificar como uma baboseira republicana inspirada por um anti-realismo primário?

As falácias tomam uma proporção ainda maior quando o Ricardo fala dos títulos nobiliárquicos. Em primeiro lugar, diga-me lá em que sítio ouviu ou leu alguma organização monárquica preocupada com esse assunto? Depois, diga-me mais uma coisa, nas actuais monarquias constitucionais europeias que direitos é que têm os “nobres”? E por fim, explique-me lá o que é que são os comendadores da república. Ordenados pelo presidente todos os anos, em Junho, ao ritmo das largas dezenas – em cerimónia digna de uma investidura real. Não serão os comendadores titulares de títulos nobiliárquicos da república? Desculpe a redundância.

Por fim Ricardo, perceba de uma vez por todas que a monarquia não é um poema e muito menos um ideal de toureiros e jogadores de rugby. A monarquia sempre se legitimou em Portugal e nas restantes democracias europeias, através da profunda ligação do monarca ao seu povo. Acontece que em Portugal a República negou e ainda nega a hipótese do povo se manifestar livremente na escolha do regime. Por fim, em verdade lhe digo, os nobres têm o rei na cabeça, os republicanos têm o rei na barriga, mas o povo trá-lo no coração. Assim não fosse e não haveria tanto medo de fazer um referendo.

João Gomes de Almeida

IMPRENSA: INFANTA DONA MARIA ADELAIDE DE BRAGANÇA É CONDECORADA NO DIA EM QUE FAZ 100 ANOS


Maria Adelaide de Bragança van Uden, neta do Rei Dom Miguel, será condecorada na terça-feira com a Ordem de Mérito Civil, num jantar em Lisboa, no qual celebrará cem anos.

A condecoração será imposta durante o jantar de homenagem à Infanta no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, pelo embaixador Pinto da França, chanceler da Ordem de Mérito.

A infanta Dona Maria Adelaide, que será agraciada com o grau de Grande Oficial da Ordem de Mérito Civil, integrou a resistência austríaca aos nazis, esteve presa e veio viver para Portugal, onde criou a Fundação Nun’Álvares Pereira para apoio aos carenciados.

Maria Adelaide de Bragança “é um exemplo de vida pela estatura moral", disse à agência Lusa Raquel Ochoa, autora de uma biografia da Infanta editada em Maio passado.

Referindo-se à actividade de Maria Adelaide como resistente aos nazis, na Áustria, Raquel Ochoa considerou que é “um acto heróico, mas quando questionada sobre a questão, Dona Maria Adelaide apenas afirma que foi uma reacção natural com algo com que não concordava. Era-lhe impossível viver num mundo assim”.

“A resistência era como respirar, perante a educação que tinha tido e os ideais que tinha. Não resistir é que era uma violência contra ela mesma. Resistir era um acto natural”, explicou a biógrafa.

Maria Adelaide foi detida pelas tropas nazis, tendo sido salva de fuzilamento in extremis e após várias diligências de António Oliveira Salazar, então Presidente do Conselho de Ministros, que se indignou por terem prendido uma Infanta Portuguesa.

A autora sublinhou que Maria Adelaide de Bragança van Uden “teve outros actos heróicos” e referiu o seu trabalho “como assistente social em prol das populações desfavorecidas” na margem sul do Tejo, desenvolvido de “forma discreta”.

“Ela [Maria Adelaide] percebeu que através da discrição não era notada nem perseguida, além de, por educação, não gosta de fazer alarde do que faz, há zero de gabarolice nesta família, o que é a antítese da sociedade em que vivemos”, disse.

Esta acção social foi feita no âmbito da Fundação Nun'Álvares Pereira que se diluiu após o 25 de Abril de 1974.

Referindo-se à posição da Infanta ao regime que antecedeu a revolução de 1974, Raquel Ochoa afirmou que “reconheceu Salazar como quem pôs em ordem as contas do Estado, mas insurgiu-se sempre contra os métodos usados”.

Na obra, intitulada “D. Maria Adelaide de Bragança. A Infanta Rebelde”, com chancela da Oficina do Livro, Dom Duarte Pio de Bragança refere no prefácio que a Tia é “um exemplo”.

Público, 30 de Janeiro de 2012


Centenário. A vida extraordinária de D. Maria Adelaide de Bragança, princesa de Portugal

Centenário. A vida extraordinária  de D. Maria Adelaide  de Bragança,  princesa de Portugal
Por João Távora, publicado em 31 Jan 2012 
Adelaide de Bragança, a última neta viva do rei D. Miguel, faz hoje 100 anos e vai ser condecorada pelo Presidente da República. O monárquico João Távora faz o retrato.

Foi há pouco mais de dois anos que num dia soalheiro e húmido de Novembro, por ocasião de uma entrevista para o boletim da Real Associação de Lisboa, com alguma emoção tive o privilégio de privar com a D. Maria Adelaide de Bragança, infanta de Portugal, que hoje completa e festeja 100 anos de uma extraordinária vida.

Não deixa de ser algo irónico ter sido numa pequena moradia da “outra banda”, onde fomos tão acolhedoramente recebidos, que nos encontrámos com uma verdadeira princesa, tão ou mais encantada que as dos romances e do cinema cor-de-rosa. Afilhada do rei D. Manuel II e da rainha D. Amélia, por insólita conjugação de duas paternidades muito tardias e da sua feliz longevidade, a infanta rebelde, como ficou conhecida, é neta, a última neta viva, do rei D. Miguel, esse mesmo, o do tradicionalismo e da guerra civil de 1828-1834.

Filha mais nova do duque de Bragança D. Miguel (II) e de Maria Teresa, princesa de Löwenstein-Wertheim-Rosenberg, D. Maria Adelaide nasceu ironicamente no dia 31 de Janeiro, em 1912, em St. Jean de Luz, no exílio a que todos os da sua família estavam sentenciados, tendo crescido em Seebenstein, na Áustria, em convívio com as mais influentes famílias europeias, sonhando com o país que não lhe era permitido conhecer. Vivia distante de Portugal mas era totalmente português o seu coração. E cresceu com o rigor de orçamentos matemáticos e com o estoicismo próprio dos exilados numa época histórica especialmente conturbada. Uma verdadeira mulher do mundo, vem-lhe da infância a curiosidade pelas questões políticas e humanitárias: a infanta confidenciou-nos que ainda pequena se escondia atrás de um sofá na sala para ouvir as conversas de seu pai com militares e políticos. Habitando no olho do furacão que varria a Europa Central do início do século xx, a pequena D. Adelaide de Bragança acabou por viver aventuras e desventuras de pasmar: da Primeira Guerra Mundial recorda o racionamento e as filas para aquisição dos alimentos que então rareavam. “A certa altura, ainda eu era muito pequena, comíamos batatas ao pequeno-almoço, que vinham de comboio e no Inverno congelavam. Uma batata congelada nem um animal consegue comer: ficávamos sem a refeição.” D. Maria Adelaide ressalva que não chegou a passar fome pois, por ser muito pequena, sempre arranjava qualquer coisa quando passava na mercearia ou no talho. “O meu irmão (D. Duarte Nuno de Bragança), esse sim: primeiro porque não ‘pedia’, segundo porque não queria receber ‘assim’ os alimentos, e repartia o pouco que tinha, em prejuízo da sua saúde”, que se deteriorou, fazendo perigar os saudosos passeios de bicicleta que a pequena infanta dava com o irmão, sentada no guiador, recorda. Muito mais nova que as irmãs, não a atraíam brincadeiras e actividades próprias das meninas da época: detestava bonecas, rendas ou culinária.

Em busca de subsistência, a família refugiou-se então numa propriedade de um tio materno na Boémia, que no final da guerra acabou “requisitada” pelos comunistas, com os quais se encantou, “com as suas boinas vermelhas e cavalos altivos”.

Já em Viena, a jovem infanta estudou Enfermagem e Assistência Social, e habitou numa residência universitária, “uma coisa já natural para uma senhora na altura”. Cresceu de frente para um mundo em convulsão e testemunhou a ocupação nazi, ainda em Viena, onde, como enfermeira, acudia aos feridos entre bombardeamentos.

Apanhada pela Gestapo, foi presa, acusada de ouvir transmissões da BBC. Interrogada, esteve na solitária e foi libertada mediante a intervenção diplomática nacional, tendo-lhe sido concedido um passaporte português. Essa experiência, contudo, acabou por determinar a sua adesão à resistência organizada, no grupo O5, onde o seu nome de código era Mafalda. Já perto do fim da guerra foi presa uma segunda vez, vítima de uma denúncia que custou a vida a vários ingleses e judeus austríacos que se escondiam na sua casa em Seebenstein. Foram extremamente penosos, de fome e dor, os dias dessa prolongada prisão em Viena, então flagelada pelos Aliados, nos derradeiros meses da ocupação nazi. Com os ocupantes nervosos e em debandada, foi na iminência de uma execução sumária que a infanta de Portugal foi libertada pelo exército soviético.

Entre correrias, bombardeamentos e aflições, sem nunca perder de vista a assistência humanitária, conheceu um estudante de Medicina, de seu nome Nicolaas van Uden, com quem casou depois da guerra. “Ele como médico e eu como enfermeira estivemos para ir para África, mas pressionados pela família acabámos por vir para Portugal”, por volta de 1949, ainda antes da revogação da lei do banimento.

Instalada a família numa quinta em Murfacém, perto da Trafaria, D. Maria Adelaide cedo se entregou a uma intensa actividade, tendo dirigido a Fundação D. Nuno Álvares Pereira, em Porto Brandão, instituição de apoio a mães pobres em final de gravidez e a crianças abandonadas, dedicando a sua vida aos mais desfavorecidos. A sua forma de relacionamento e gestão pouco convencional para a sociedade “chique” do regime chocou algumas mentes mais puritanas, que a acusavam de comunista, facto negado pela sua profunda devoção católica.

Longe das fugazes ribaltas e feiras de vaidades, a senhora D. Maria Adelaide celebra hoje 100 anos. Celebra-os com uma missa de Acção de Graças pelo dom da vida, na Igreja do Bom Sucesso, e um jantar simples organizado por amigos e família no Centro Cultural de Belém. A Senhora Infanta, como é tratada pelos mais próximos, além de constituir um precioso testemunho vivo, directo e indirecto, da história dos últimos duzentos anos, constitui um verdadeiro exemplo de profunda nobreza, aliada a uma invulgar coragem e irreverência, que tanta falta faz nos dias de hoje.

TERTÚLIA: MANTENHA A CALMA E BEBA UM COPO COM O REGIME

Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2012 pelas 22:30

Rua da Atalaia 126, Bairro Alto, 1200-043 Lisboa

Em época evocativa do 1º de Fevereiro, fatídico dia em que Sua Majestade Fidelíssima O Rei D. Carlos e o Príncipe Herdeiro D. Luís Filipe foram brutalmente assassinados e vivendo nós uma ausência clara de rumo para o nosso país, o PPM - Partido Popular Monárquico irá promover uma iniciativa única no panorama político nacional, relançando para a opinião pública o debate em torno da chefia de estado de Portugal.
 
A ideia passa por juntar várias personalidades da vida política portuguesa - monárquicos e republicanos - para que em ambiente de tertúlia possam “beber um copo” e discutir abertamente o regime.
 
A tertúlia “Tenha calma: beba um copo com o regime” terá lugar no próximo dia 3 de Fevereiro, sexta-feira, pelas 22h30, no bar Frágil, no Bairro Alto. A participação estará aberta à comunicação social e a toda a população que esteja interessada em debater o assunto.
 
Os protagonistas serão pela república o deputado socialista João Soares, o deputado do PSD Carlos Abreu Amorim, o ex-vereador da Câmara Municipal de Lisboa Tomás Vasques e o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Oeiras, Francisco Silva. Pela monarquia estarão presentes o ex-deputado e membro do Conselho Monárquico da Causa Real Luís Coimbra, a dirigente do PPM Aline Gallasch-Hall, o publicitário João Gomes de Almeida e o bloguer do 31 da armada Miguel Castelo Branco. A moderação ficará a cargo do jornalista da TVI24 Filipe Caetano.
 
Desta forma, os monárquicos abrem novamente a discussão sobre a chefia de regime, estando dispostos a argumentar e expor as vantagens que advogam. 

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

OS ESPAÇOS ESTRATÉGICOS DE INTERESSE NACIONAL

CONVITE
 
Irei proferir uma conferência na Academia de Marinha, no dia 31/01/2012,
pelas 17:30h, que versará sobre

 

Mesmo sabendo que será uma responsabilidade acrescida, terei todo o gosto na vossa presença.
 
Ten. Cor. Piloto Aviador (ref.) João José Brandão Ferreira
 
 
Fonte: O Adamastor

COMUNICADO DE IMPRENSA DA CAUSA REAL

TERÇA-FEIRA, 31 DE JANEIRO, ÀS 20.15H, NO CCB 
D. MARIA ADELAIDE DE BRAGANÇA FESTEJA 100 ANOS 
E RECEBE CONDECORAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA 

Um jantar no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, na próxima terça-feira, às 20.15h, vai homenagear D. Maria Adelaide de Bragança, última neta viva do rei D. Miguel, que completa amanhã, 31 de Janeiro, 100 anos. Na ocasião, será entregue a condecoração de Grande Oficial da Ordem do Mérito, atribuída pela presidência da República. Impedido de estar presente por motivos de agenda, o presidente da República será representado pelo Chanceler das Ordens, embaixador António Pinto da França. O jantar, para os quais são esperadas cerca de 200 pessoas, organizado pela família e amigos, contará com a presença do chefe da Casa Real Portuguesa, D. Duarte de Bragança, sobrinho de D. Adelaide. 

Nascida em St. Jean de Luz, onde a família estava então exilada, D.Adelaide de Bragança teve uma vida marcada pelos grandes acontecimentos que atravessaram o século XX, sobretudo durante o período da 2ª Guerra Mundial. Filha mais nova do Duque de Bragança D. Miguel (II) e de Maria Teresa, Princesa de Löwenstein-Wertheim-Rosenberg, cresceu em Seebenstein, na Áustria, tendo estudado Enfermagem e Assistência Social, em Viena.

Com a ocupação nazi, foi presa pela Gestapo, acusada de ouvir transmissões da BBC, foi interrogada e esteve na solitária, experiência que determinou a adesão e empenhamento na resistência organizada. Como enfermeira, prestou auxílio às vítimas dos bombardeamentos e já perto do fim da guerra, presa uma segunda vez pelos nazis, foi na iminência da execução que o Exército Soviético a libertou. Nessa ocasião, com intervenção diplomática nacional, foi-lhe concedido, e a seus irmãos, entre os quais D. Duarte Nuno, pai do actual Duque de Bragança, passaporte português.

Casada com o médico holandês Nicolaas van Uden, que conheceu ainda estudante em Viena, veio para Portugal em 1949, tendo se instalado numa quinta em Murfacém, perto da Trafaria, dedicando-se a uma intensa actividade de cariz caritativo, sobretudo através da Fundação D. Nuno Álvares Pereira, situada em Porto Brandão, instituição de apoio a mães pobres em final de gravidez e a crianças abandonadas. Esta actividade nem sempre foi bem compreendida durante o período do Estado Novo, valendo-lhe inclusive acusações de simpatia pelo comunismo. A sua vida está contada no livro “A Infanta Rebelde”, da autoria de Raquel Ochoa, publicado em 2011 pela Oficina do Livro.

A Causa Real foi criada em 18 de Novembro de 1993 e é hoje uma associação internacional agregando as Reais Associações existentes em todos os distritos do Continente Português, nas duas Regiões Autónomas e noutros locais do Mundo. Instituída sob a égide de S.A.R. o Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança, a Causa Real pretende reunir todos os simpatizantes da instituição Real das várias sensibilidades e quadrantes político-partidários. Apostada na criação de um Portugal moderno, consciente da sua história e apostado no Futuro, a Causa Real está aberta ao contacto de todos os que sintam os valores da Portugalidade e a relevância do Futuro de Portugal no Mundo.

Para mais informações agradecemos o V. contacto para: 
João Távora – 917 230 212

Lisboa, 30 de Janeiro de 2012
Pela Comissão Organizadora

Causa Real
Praça Luís de Camões, 46 – 2º Dto.
 1200-243 Lisboa

FAMÍLIA CELEBRA CENTENÁRIO DA "PRINCESA REBELDE"

Alvalade do Sado, Santiago do Cacém, presta homenagem a Infanta de Portugal

Os cem anos da infanta de Portugal, Dona Maria Adelaide de Bragança, última neta viva do rei D. Miguel I, foram ontem assinalados com uma missa de Acção de Graças na Igreja Matriz de Alvalade do Sado, Santiago do Cacém.

Em sua representação estiveram dois dos seis filhos, Nuno de Bragança Van Uden e Maria Teresa de Bragança Van Uden Chaves, e o neto Rodrigo Van Uden Chaves. A infanta era conhecida por ‘Princesa Rebelde’, devido à sua intervenção cívica e também por pertencer a movimentos de resistência ao nazismo.

"Estas homenagens são uma forma de ela transmitir aquilo que pensa, os receios e as propostas que faz para o futuro, que passam pelos valores cristãos", afirmou Nuno de Bragança. 

JÁ NÃO TEMOS MUITO TEMPO PARA ANULAR O ACORDO ORTOGRÁFICO

ÉS CONTRA O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO?

HÁ UMA FORMA DE O EVITAR!

Há neste momento uma ILC a decorrer que poderá conseguir anular o acordo.
Só temos de a assinar, e temos pouco tempo para o fazer !

Fazer “Like” em Facebooks, ou participar em sondagens e petições,

NÃO TEM QUALQUER EFEITO!!!

SENTES QUE O TEU CARTÃO DE ELEITOR NÃO SERVE PARA NADA?
POIS HÁ ALGO QUE PODES FAZER COM ELE:
AJUDAR A TUA LÍNGUA MATERNA!!!

Só com uma ILC (Iniciativa Legislativa de Cidadãos) é que podemos fazer chegar
à Assembleia a nossa voz e pela primeira vez mostrarmos que estamos
CONTRA O ACORDO ORTOGRÁFICO!!!

TEMOS POUCO TEMPO PARA ANGARIAR 35.000 ASSINATURAS!!!


PARTICIPA!

FAZ ASSIM UM ÚLTIMO ESFORÇO PELA TUA LÍNGUA MATERNA,
O PORTUGUÊS-PT!!! NÃO O DEIXES MORRER
APÓS SÉCULOS DE LUTA...

SE NÃO ANULARMOS O PRIMEIRO ACORDO, OS SEGUINTES,
QUE SERÃO PIORES, NÃO PODERÃO SER TRAVADOS

É AGORA OU NUNCA!!!

COMO? ASSINANDO, E DANDO A CONHECER A TODOS OS TEUS AMIGOS,
FAMILIARES, VIZINHOS, COLEGAS DE TRABALHO, PESSOAL NO CAFÉ,
ESTA ILC E MOSTRAR-LHES QUE PODEM
FAZER A DIFERENÇA!!!

SÓ TÊM DE IMPRIMIR ESTE DOCUMENTO:



FICA ABAIXO UM KIT QUE PODERÃO DISTRIBUIR PELOS AMIGOS OU MESMO
ESTABELECIMENTOS NA VOSSA LOCALIDADE COMO CAFÉS, LOJAS, ETC.
BASTA LEREM ABAIXO, IMPRIMIR, E DISTRIBUIR.
EXISTEM INSTRUÇÕES NOS MESMOS!

Documentos Descrição
Folha Individual de Assinaturas Esta é a folha que deverá ser assinada por cada pessoa que queira participar na ILC. Deverá conter todos os dados para ser considerada válida na Assembleia. Cada pessoa assinará a sua folha, e poderão ser todas enviadas em conjunto depois à morada nela contida. Este PDF tem 2 folhas, uma é a da assinatura e a outra a das instruções, porque podem ser utilizadas para serem deixadas em conjunto em caixas de correio, assim poderão imprimir e distribuí-las pelas caixas do correio dos vizinhos, e cada pessoa assim pode conseguir potenciais dezenas ou centenas de assinaturas facilmente, sem ter de falar com ninguém. Experimentem.
Cartaz para Afixar nas Vítrines de Lojas Este é um cartaz já preparado para ser afixado nas vitrines das lojas que queiram participar nesta iniciativa e ajudem a angariar assinaturas. Quem sabe até lhes atraia clientes.
Explicativo sobre a ILC Este pequeno documento de 14 páginas, é um explicativo sobre o que trata a ILC. Quem a assina poderá ir ao site da ILC saber mais sobre o assunto, mas talvez seja boa ideia cada estabelecimento disponibilizar para leitura estas 14 páginas para que as pessoas saibam o que irão assinar.

O kit é basicamente composto pelo papel da assinatura individual em si
com uma possível folha explicativa opcional
para a pessoa em questão saber o que assina, 14 páginas extra
para quem queira ler, e saber mais sobre a ILC
e uma imagem para afixar na vitrine.
Para os amigos basta dar uma simples folha a assinar.

Para saberem o vosso número de eleitor basta irem ao Portal do Eleitor e com
o vosso número de BI e Data de Nascimento terão o tal número,
é fácil e é feito em poucos segundos.

VISITEM O -> SITE OFICIAL

SÓ TEMOS DE PASSAR FOTOCÓPIAS DO PAPEL AOS AMIGOS, OU ENVIAR
ESTE SITE POR EMAIL, E CADA UM PODERÁ ENVIAR AS SUAS
ASSINATURAS POR CORREIO (PODE IR SEM REMETENTE)
PARA A MORADA QUE ESTÁ NA ILC QUE IMPRIMIRÃO!
PODE-SE ENVIAR TAMBÉM POR EMAIL
(digitalizado só com scanner e tamanho abaixo dos 5 megas)
(-> explicado AQUI)

NÃO FIQUES DE BRAÇOS CRUZADOS ENQUANTO NOS
FORÇAM A FALAR O PORTUGUÊS DO BRASIL!!!
ÉS PORTUGUÊS OU BRASILEIRO?

AS CRIANÇAS NAS ESCOLAS JÁ IRÃO EM 2012/2013
APRENDER FORÇADAMENTE COM O ACORDO
A ESCREVER PALAVRAS COMO “EGITO”
SEM “P”, SEM “C”, ETC! E É APENAS O
PRIMEIRO DE MUITOS ACORDOS!!!

PODEM LER O QUE A MESMA DEFENDE, AQUI:
ESTÃO CONVIDADOS A LÊ-LA!! E JÁ AGORA A FAQ:

E CLARO:
SÓ TÊM DE IMPRIMIR ESTE DOCUMENTO:

AQUI PODERÃO VER O SITE ORIGINAL, ONDE PODERÃO SABER
TUDO SOBRE COMO PODES AJUDAR A FAZER HISTÓRIA!

EU FIZ O MEU PAPEL. CRIEI ESTE PEQUENO SÍTIO WEB PARA RESUMIR O QUE TEM DE
SER FEITO PARA APOIAR O SITE DA ILC QUE TÊM ABAIXO. E ASSINEI, FIZ A FAMÍLIA
ASSINAR, ENTREGUEI AOS VIZINHOS, CAFÉS, TRABALHO. SE CADA UM DE NÓS
FIZER O MESMO, CADA UM DE NÓS FARÁ A DIFERENÇA! SE NÃO QUISEREM TER
O TRABALHO DE ENVIAR POR CORREIO, POR FAVOR ENVIEM ESTE SÍTIO WEB
AOS VOSSOS AMIGOS, FAMILIARES, OU DÊEM-LHES A FOLHA IMPRESSA
E EXPLIQUEM-LHES QUE A SUA AJUDA É MESMO NECESSÁRIA!!!
POR FAVOR.
NÃO DESISTAM, NÃO TEMOS MUITO TEMPO! OBRIGADO!

(basta copiarem e colarem num email, mas ler e alterar se necessário)


FEITO POR UM PORTUGUÊS QUE AMA A SUA LÍNGUA MATERNA
E QUE NASCEU EM PORTUGAL E NÃO NO BRASIL!!!


Se desejares receber informações e eventos futuros inscreve-te na Mailing List abaixo.
Mailing List:  

CONSEQUÊNCIAS DO CONFORMISMO DO POVO:
Já não existe o Português-PT em vários locais, não só o próprio Google Translator já só traduz para Português-BR, como agora os sites mais famosos
não só ignoram o Português-PT, como escrevem "Português (Brasil)" em vez de apenas "Português"...

O Google Translator já só traduz para o Português do Brasil...
Vamos a ver no que isto vai dar...

Tal como explicado acima, este sítio web foi criado por um cidadão e não é o oficial mencionado acima nem está associado,
foi criado com o intuito de ajudar a angariar assinaturas, para contactarem o portal oficial
visitem o sítio web ILC, e para contactarem o autor deste sítio web usem:
contacto [at] PortuguesPT.com.